segunda-feira, março 28, 2005

"Os meus olhos são uns olhos...




... E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos
onde outros, com outros olhos,
não vêem escolhos nenhuns.

Quem diz escolhos diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.

Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente,
uns vêem pedras pisadas,
mas outros, gnomos e fadas
num halo resplandecente.

Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? São moinhos.
Vê gigantes? São gigantes."



Impressão digital

António Gedeão

4 comentários:

Lampimampi disse...

DEMAIS!!!!!!!!!!!!!
:)
*

ricardo pinho disse...

- Pai.
- Diz.
- Olha aquele moinho.
- Onde é que estás a ver um moinho?
- Ali.
- Aquilo não é um moinho, filho.
- Então o que é?
- Um gigante.
- Um gigante?
- Sem a mínima dúvida. Olha bem. Agora está quieto, vigiando a paisagem. Mas daqui a pouco vai-se pôr a nadar e a cada passada avançará uma légua.

- Pai.
- Diz.
- Não me parece gigante nenhum.
- Mas é.
- Um gigante com portas e janelas? Um gigante com telhas e velas?
- Um gigante.

- Pai.
- Diz.
- Eu só vejo um moinho.
- Como? Um moinho?
- Sim, um moinho. O mesmo de sempre.
- Tomás.
- O que é?
- Preocupas-me.

Joao Soares disse...

Um olhar de todo é sinonimo de sensibilidade...abre todos os sentidos e saberás desfrutar a Vida, a Terra, tudo...e não descansses até o teu olhar se multiplicar.
Abraços

Joao Soares disse...

João do BioTerra;)
http://bioterra.blogspot.com