segunda-feira, novembro 19, 2007

incoerência original

ou

sobre a incapacidade de reagirmos perante o desaparecimento

(escrevi isto a 4 de abril de 2006. hoje, 19 de novembro de 2007, acabou aquela família. e, no meu vazio, as palavras que me vestem são as mesmas. incoerência e vergonha.)


durante a flecha do tempo que nos permitiu conhecermo-nos em estreita articulação com todos os sistemas, habituamo-nos a construir uma imagem do mundo que vai sendo redefinida conforme as incoerências que aceitemos. indago-me sobre os limites perceptivos de tal conhecimento. e, sobretudo, sobre a capacidade de reacção à percepção da nossa própria incoerência.

a incoerência pode ser multiplamente interpretada. se para mim é incoerente defender o valor da vida e, na prática, promover práticas desumanas ao se defender que certo património cultural deve ser defendido e preservado por ser um legado do desenvolvimento humano, para outr@s pode ser incoerente que eu perca tempo a escrever estas palavras e não vá assegurando uma prática proactiva pela assimilação desse mesmo valor da vida. e, no seu âmago, provavelmente terão razão.

deparo-me agora, novamente, com o desaparecimento de quem promoveu a minha vida, se esforçou pela minha felicidade e cuja recompensa, imaginemos, foi a minha incapacidade de envolvimento sob o medo da transformação da imagem. o afastamento de situações problemáticas em seres que me influenciam desde as iniciais percepções da flecha do tempo, original da minha incoerência.

2 comentários:

Anônimo disse...

...No sé quina estranya sensació vaig tenir la setmana passada.
També situacions d'incoherència i parlant de valors...Inês vaig pensar amb tu, amb la teva valentia!

Em sembla haver-ho comprès bastant bé, el teu discurs, això que expliques...ultimament em sento remuntar anys enrrere sovint, ultimament...

Recuperant esquerdes, petites falles tactòniques d'interior...que ens situen lluny, lluny en el temps.
Ai quina por, ai ...i quina sort que tenim...SENTIM

UN PETONAS CARINYU, T'ESTIMO

Mele a la neve disse...

Neus ;)