sábado, dezembro 11, 2010

mas a luz branca é terna,

tal como as noites brancas, esse raro universo russo meigo de ternuras. há sempre dias de mimo, para que nos queixamos?

um pequenino caos ocupou o espaço entre as paredes. tinha saudades, talvez. fazia parte de uma outra escala, e agora fico melhor.

a luz branca é terna. alguém inventou 20º C em Dezembro, alguém me evitou um frio amargo, alguém me permitiu ler palavras boas.

obrigada * de olhos ensonados, obrigada

.

Um comentário:

claudino disse...

E a vida continua. Sempre em frente. O caminho faz-se caminhando.
Beijos dos
Cotas dos cotas.