domingo, dezembro 12, 2004

queria fazer e sentir muitas coisas, mas estou sufocada.

suspensa no mundo pelo cordão umbilical, não te vejo! esgano-me a mim mesma por te procurar, mas não te capto… apetece-me gritar e dizer que te amo, ou não, não dizer que te amo, dizer que amo, o quê não sei, quem não sei, talvez tudo e tod@s!

não há tempo ou imagem que o explique.
estou só e não há nada que justifique o contrário.


de novo a embalar-me entre o tudo e o nada
o ninguém e o alguém

de novo solta e despida
a pele foi-me arrancada
estou a cair

digo-te que não pegues em mim

pois não, estou em carne viva,
ficarias cheio de sangue
a ver-me desfazer aos bocados

mas que violência é esta?

que ternura amarga me amassa
e te destrói?

não fujas

só quero um colo
um recado inesperado

um beijo perdido no ar que me encontre

um cobertor
ou uma pele nova

tenho vergonha
tenho medo
tenho vontade
mas não sei de quê

o mundo mata-me
ao tentar viver-me

o espaço pisa-me

gostava de ser vento
de não ter corpo


mas sentir-te




e, afinal, não te tenho…

2 comentários:

Lampimampi disse...

.ja te disse o k tinha a dizer;)
Mas gostei de ler esta cena. nao me fez mt bem, mas gostei muito!
bjinho

therner disse...

Hey minina, parece que estás um pouco revoltada ou triste com o mundo, com a vida, com alguma coisa...
Não posso comentar grande coisa sobre o que escreveste, so te posso dizer, mais uma vez, que escreves muito bem, e isso deves ouvir todos os dias :). Só espero, que tenhas encontrado uma pele nova, ou então que tenhas achado a pele que te foi arrancada. Bjufas ;)

Espero que amanha acordes com o sol a entrar pla janela, pla porta, por qualquer lado, mas que te deixe com um sorriso na face e com alegria dentro de ti ;).